Arquivo da tag: semifinais

“Vou torcer para o Brasil perder na semifinal!”

Postado por: Flávio Tamashiro

A frase acima foi dita em alto e bom som por uma torcedora brasileira a seu acompanhante na saída do Estádio Mané Garrincha após o jogo Brasil x Camarões. Tudo porque ela lembrou que só tinha ingressos para mais um jogo: a disputa do 3º lugar em Brasília. E antes mesmo da reação de indignação que tomaria seu acompanhante e os torcedores à sua volta, ela completou a pérola: “É, porque se for minha única chance de ver o Brasil jogar na Copa de novo, prefiro que a seleção dispute o 3º lugar!”

"Perder na semi? Tem dó!"

“Perder na semi? Tem dó!”

A reação dos torcedores foi de censura ainda que silenciosa: olhares de reprovação, risinhos de ironia, gente balançando negativamente a cabeça. Alguém comentou baixinho o quão egoísta era aquele pensamento. Muita gente concordou. “Como alguém pode pensar somente em si mesmo? E em plena Copa do Mundo!”, diria um amigo.

Mas pera aí? Pensar em si mesmos não é o que 99% dos torcedores fazem? E não vale falar da famosa torcida por solidariedade – “Ah, vou torcer pela França também porque meu avô é francês.”

"Eu sou mais eu!"

“Eu sou mais eu!”

Que eu saiba ninguém torce pelo Brasil pensando na felicidade do irmão, do amigo, do vizinho, do avô. Você pode até ter começado a torcer por influência de algum deles, é verdade. Mas com certeza hoje a pessoa que você mais quer ver feliz depois do jogo é você mesmo. E pode apostar que não é um fenômeno brasileiro: deve acontecer a mesma coisa com torcedores na Argentina, na Alemanha e… na Colômbia.

"Pelo amor dos meus filhinhos! Muda o time, Felipão!"

“Pelo amor dos meus filhinhos! Muda o time, Felipão!”

* * *

Nesta Copa, acompanhei dois amigos colombianos nas partidas da seleção deles em Brasília e Cuiabá. A torcida de nossos vizinhos é animada, festeira e fanática por futebol como nós. Na verdade, posso dizer que são mais animados do que nós no que diz respeito a torcer por sua seleção. Meu amigo Juan diz que os 16 anos dos “Cafeteros” longe das Copas é um dos motivos da invasão colombiana no Brasil em 2014.

Sou o colombiano da direita.

Sou o colombiano da direita.

A festa da torcida brasileira no confronto contra Camarões não chegou perto da algazarra provocada pelos colombianos nas partidas contra Costa do Marfim e Japão. Parabéns para eles. O futebol deles também enche mais os olhos do que o da nossa seleção. Ponto para eles novamente.

Febre Amarela nas arenas brasileiras

Febre Amarela nas arenas brasileiras

A vibração deles nas arquibancadas é contagiante. Não é à toa que se sentiram em casa em todas as partidas até agora. Eu mesmo me peguei vibrando com os gols de James e Quintero. Mas hoje a história muda de figura. O jogo é Brasil x Colômbia. Desculpem-me o egoísmo, amigos Juan e Andrés. Sei que sentirei falta da festa colombiana, mas após a partida eu espero poder comemorar mais do que vocês.

Vai, Brasil! P*rra!

Vai, Brasil! P*rra!

Anúncios

Por uma Copa do Mundo mais enxuta em 2014

Todo mundo diz que a cada edição a Copa do Mundo perde um pouco da graça. A média de gols é cada vez menor, craques desmotivados, menos partidas emocionantes. A causa, dizem alguns, é o número absurdo de seleções que chegam ao mundial.

A ideia original da FIFA era contar com 16 participantes, apenas a nata do futebol. É verdade que na primeira Copa, em 1930, apenas 13 seleções foram ao Uruguai – houve boicote de muitas nações européias  pelo fato de a FIFA optar por um país-sede sul-americano.

Copa de 1950: não quer ouvir pelo rádio? Vá ao estádio

As Copas seguintes contaram com o número desejado de times – exceção ao torneio do Brasil, em 1950, também com 13 participantes por conta do período de reconstrução mundial pós-Segunda Guerra.  E, a cada edição, a Copa chamava mais e mais a atenção dos torcedores ao redor do planeta. Isso porque só era possível acompanhar as partidas pelo rádio – e nos primeiros mundiais, a transmissão nem era ao vivo (!).

Copa de 1982, primeiro álbum com 24 seleções: haja chiclete!

Os anos passaram, a TV surgiu e as transmissões ao vivo começaram para a alegria dos fãs de futebol. Eis que, em 1982, a FIFA aumentou para 24 o número de seleções com o objetivo de globalizar o futebol e gerar mais dinheiro para o evento. Não satisfeita, a entidade máxima do futebol  decidiu aumentar novamente a quantidade de equipes em 1998: 32 seleções.

32 seleções em 1998: haja dinheiro para completar o álbum...

Por conta do inchaço do torneio, muitos críticos afirmam que a Copa só começa de verdade nas oitavas de final, ou seja, quando sobram apenas 16 seleções na disputa. Se levarmos em consideração esse fato, é possível ver a Copa de 2010 com outros olhos:

– 16 times participantes:  6 seleções europeias, 5 sul-americanas, 2 asiáticas, 2 norte-americanas, 1 africana;

– Itália e França não estariam na Copa;

– 44 gols marcados em 16 jogos: média de 2,75 gols por jogo;

– Apenas um jogo sem gols – Paraguai X Japão;

– A Espanha teria sido campeã marcando apenas 4 gols e não sofrendo nenhum;

– Sneijder e Müller dividiriam a artilharia da Copa com 4 gols;

– O melhor ataque seria mesmo da Alemanha, com 11 gols em 4 jogos – só passou em branco na semifinal contra a Espanha, dona da melhor defesa;

– Entre os melhores jogos da Copa somente Eslováquia 3 X 2 Itália nunca aconteceria;

– As grandes partidas da Copa ainda seriam Alemanha  4 X 1 Inglaterra, Argentina  0 X 4 Alemanha, Alemanha 3 X 2 Uruguai, Gana 1 X 1 Uruguai, Holanda 3 X 2 Uruguai.

Pesando prós e contras, talvez seja hora de começar uma campanha pela volta às origens com menos times na Copa do Mundo de 2014. Afinal, quem quer ver Eslovênia X Argélia? Alguém se comove com Austrália X Eslováquia? Suíça X Honduras, então, nem pensar…

Postado por: Flávio Tamashiro

10 razões para ver Dinamarca x Holanda

Se tem um jogo da próxima Copa que vale a pena ficar de olho, esse jogo é entre a “Dinamáquina” e a “Laranja Mecânica”. Você pode falar que o duelo mais esperado da primeira fase é Brasil vs. Portugal – e provavelmente é. Mas a partida entre dinamarqueses e holandeses também promete pelo histórico, superstições e ofensividade das duas seleções.

Veja algumas razões históricas para não perder esse jogo, em 14 de junho:

10) Dinamarca já foi “Dinamáquina”

A  seleção danesa encheu os olhos dos amantes do futebol na segunda Copa no México, em 1986, com direito ao massacre de 6 a 1 sobre nosso eterno rival Uruguai.

9) Carrossel Holandês de 1974

Time que dispensa comentários. Além de encantar o mundo com seu Futebol Total, arrasou nossos hermanos argentinos naquela Copa: 4 a 0.

8 ) Craques da terra de Hamlet

A Dinamarca também forma craques como Michael e Brian Laudrup. A expectativa é de que apareçam bons jogadores para honrar as camisas que já foram dos irmãos bons de bola.

7) Celeiro de craques batavos

A Holanda – com uma ajudinha do Suriname – sempre revela grandes craques para o futebol mundial. Quem sabe um deles não repita em 2010 o que Johann Cruyff (ou Cruijff) fez em 1974?

6) Euro Top-Top

A prova de que vale a pena ficar de olho nas duas seleções é a presença delas em vários top goals, top matches, top players, etc.

5) Os Daneses já foram de azarões a campeões

Nada como entrar como convidada e terminar o torneio como a grande campeã. Assim foi a Dinamarca na Eurocopa de 1992, na Suécia.

4) A Holanda sabe gritar “É campeã!”

O título mais importante da seleção laranja foi a Eurocopa de 1988 e veio com um timaço que incluía Van Basten, Gullit, Rijkaard e o técnico Rinus Michels (o mesmo de 1974).

3) A força da Holanda em Copas

Vice-campeã em 1974 e 1978, a Laranja protagoniza batalhas épicas em mundiais. O empate na semifinal de 1998 é considerado por muitos o último jogo do Brasil naquela Copa (alguém aí viu o Brasil entrar em campo na final contra a França?).

2) A Dinamarca já assustou o Brasil

A partida de quartas de final em 1998 teve direito a virada, muitos gols e falha do Roberto Carlos (!).

1) Boas recordações da Holanda em Copas recentes

Além do combate em 1998, a seleção laranja enfrentou o Brasil no melhor jogo da Copa dos EUA, em 1994. Essa partida não sai da memória do brasileiros e tem gente agradecendo até hoje a “lordose acentuada” do Romário no lance do terceiro gol .

Postado por Flávio Tamashiro

A Copa que afanamos

Ana Carolina?

Hmmmm...

De fato: em 1962, não havia time melhor do que o Brasil.

A base era praticamente a mesma do campeonato da Suécia. Além disso, contava com vários atletas do Santos, então bicampeão mundial de clubes. E o dono da camisa 10 era o melhor jogador do planeta.

No segundo jogo, porém, Pelé teve uma distensão muscular que o vetou para o resto da Copa. Sorte nossa que tínhamos também o segundo melhor jogador do planeta.

Garrincha assumiu o comando do time e foi o melhor em campo em quase todos os jogos. O substituto do Rei, Amarildo, e os agora macacos velhos Nilton Santos, Didi, Zito, Vavá e Zagalo também jogaram muito.

Mas para o Brasil chegar ao bicampeonato, precisou mesmo da atuação decisiva de outro indivíduo: nosso amigo, o juízão.

(E também da Elza Soares, mas essa é outra história.)

Brasil x Espanha

Ahá, uhu, o juizão é nosso.

O homem de preto interveio pela primeira vez no último jogo da primeira fase. Depois de ganhar do México e empatar com a Tchecoslováquia, o Brasil precisava passar pela temível Espanha, que havia nacionalizado dois dos maiores craques de todos os tempos: o húngaro Ferenc Puskas e o argentino Alfredo Di Stefano (que, machucado, não jogou).

O jogo foi casca. Adelardo abriu o placar para os espanhóis, que por várias vezes quase ampliaram. No começo do segundo tempo, Nilton Santos passa o rodo num espanhol dentro da área. A cena seguinte é até hoje reprisada na TV num tom, para dizer o mínimo, bem condescendente (“é a malandragem brasileira, minha gente!”): o lateral dá dois passos sorrateiros para frente, saindo da área. O juiz marca falta.

Após a cobrança, Joaquín Peiró (e não Puskas, como é dito no vídeo abaixo) marca um golaço de bicicleta. Mas o juiz interrompe o lance, apontando uma irregularidade até hoje desconhecida. Absurdo.

Os brasileiros então acordam: Amarildo marca duas vezes, o segundo concluindo uma jogada patenteada de Garrincha. A Espanha foi eliminada, e o Brasil embala no campeonato.

Nas quartas e na semifinal, dois jogos difíceis que Garrincha tornou fáceis: 3 a 1 na Inglaterra e 4 a 2 no Chile. Em 180 minutos, foram quatro gols de Mané.

A partida contra os anfitriões foi nervosa. Depois de apanhar o jogo inteiro, Garrincha revida: sem bola, atinge o zagueiro Rojas. O bandeirinha vê e avisa o juiz, que expulsa o ponta brasileiro.

A história é conhecida: mesmo expulso, Garricha entrou em campo no jogo seguinte. Mas, ao contrário do que se repete, não era certo que ele deveria estar fora — a suspensão automática não estava prevista. Um julgamento decidiria o destino do botafoguense.

Só que o julgamento melou quando o bandeirinha uruguaio Esteban Marino, que, ora, ora, ora, era o mesmo do jogo contra a Espanha, simplesmente não apareceu. A única testemunha do tostão de Garrincha se escafedeu.

Que o sumiço dele foi esquisito e que o cara era um velho conhecido dos brasileiros (ele bandeirava no Campeonato Paulista), todo mundo sabe faz tempo. O dado novo apareceu em fevereiro deste ano, numa entrevista ao Esporte Espetacular.

O árbitro reserva do Brasil na Copa, Olten Ayres de Abreu revelou ao reporter Guilherme Roseguini que o juiz titular brasileiro João Etzel Filho procurou Marino e ofereceu US$ 15 mil (em nome da CBD? De Jango? Dos deuses do futebol?) para ele desaparecer. Anos depois, Olten reeencontraria o uruguaio, que reclamou ter recebido apenas US$ 5 mil…

Não há provas, não há outras testemunhas. Os nomes citados pelo ex-árbitro brasileiro não jogam mais no time aqui da Terra. Mas é mais uma sombra num episódio já bastante nebuloso.

Ronaldo/Garrincha e Homer/Yamasaki

"Sua anta! A final eu vou jogar de qualquer jeito, mesmo..."

Com Garrincha em campo, o Brasil repetiu as atuações dos jogos anteriores, e derrotou a Tchecoslováquia por 3 a 1, de virada. Mais uma vez, jogamos o melhor futebol e conquistamos a taça (nem sempre as duas coisas vêm ao mesmo tempo). Foi lindo.

Por outro lado, também foi feio.

O mundo inteiro pode reclamar da goleada argentina sobre o Peru em 78 e do gol de mão do Maradona em 86. Nós, não. Além do mais, somos reincidentes.

Postado por Marcos Abrucio

A Alemanha passa por cima

Alemanha na semifinal? Oba, jogaço à vista. Foi assim em 1970 e em 2006, contra a Itália. E igualmente palpitante foi a partida contra a França, pela Copa de 1982.

Um embate memorável por vários motivos. Pelo futebol vistoso de Platini, que comandou a reação francesa. Pela prorrogação com quatro gols. Pela intervenção messiânica de Rummenigge. Pelo gol de bicicleta no final. Pela primeira decisão por pênaltis da história das Copas.

Mas não adianta. Todo mundo se lembra desse jogo por causa dessa cacetada:

Os alemães repetiam naquela Copa o seu desempenho quadrienal típico: sempre aos trancos e barrancos, mas sempre chegando. Perderam na estréia para a Argélia e só foram à segunda fase graças a uma marmelada no jogo contra a Áustria (em uma só frase, temas para dois outros posts…).

Para a semifinal, tinham um problemão: Karl-Heinz Rummenigge, o craque do time, estava machucado, e seria mantido no banco para entrar apenas em caso de extrema necessidade.

Já a França era o time que, tirando o Brasil, desfilava o futebol mais bonito do Mundial. A geração de Platini, Rocheteau e Trésor tinha amadurecido bastante depois do fracasso de quatro anos antes (e ainda se tornariam os campeões europeus de 1984).

Só que a Alemanha nunca ligou muito para essa história de futebol bonito. Aos 17 minutos, Littbarski abriu a contagem para os germânicos. Dez minutos depois, pênalti para a França. Platini empatou, 1 a 1.

Aos 20 minutos do segundo tempo, Platini sutilmente coloca o zagueiro Battiston, que acabara de entrar, na cara do goleiro Herald Schumacher. O arqueiro esquece a bola, sobe na sobreloja e sutilmente quebra a cara de Battiston.

O juiz apita na hora. Só que apita tiro de meta, para revolta dos franceses.

Schumacher abalroa Damon Hill. Não, Battiston!

Battiston jaz no gramado, inconsciente. Os azuis cercam o colega e entram em desespero. Platini chega a pensar que ele tinha morrido. Mas Battiston “só” teve uma concussão, uma lesão cervical e alguns dentes perdidos (de dois a quatro, dependendo da fonte e do dentista).

Enquanto isso, Schumacher alongava-se e esperava para bater o tiro de meta…

O tempo normal se encerrou nesse clima gostoso de fraternidade. Para vingar o parceiro ferido, os franceses partiram para cima logo no começo da prorrogação. Aos 3 minutos, Trésor faz, de virada, um golaço. França, de virada, 2 a 1.

Era, definitivamente, um caso de extrema necessidade. E Rummenigge, mesmo vetado pelos médicos, foi a campo. No entanto, antes que ele pudesse tocar na bola, Giresse ampliou para os franceses: 3 a 1.

Aos 12 minutos, na sua primeira jogada, Rummenigge divide com o goleiro e um zagueiro e diminui: 3 a 2. A Alemanha se enche de brios, o que, em Copas do Mundo, nunca é boa notícia para o adversário. Aos 3 minutos da etapa final, Fischer empata lindamente, de bicicleta. Quem disse que alemão não liga para futebol bonito?

Fim de jogo, 3 a 3. Pela primeira vez, uma partida de Copa do Mundo seria decidida nos pênaltis. Giresse, Amoros e Rocheteau convertem as primeiras cobranças para a França. Kaltz e Breitner acertam seus chutes para a Alemanha. Já a bola de Stielike vai para as mãos do goleiro francês Ettori.

O libero alemão, um dos melhores em campo no tempo normal, se ajoelha e chora. Amparado pelos companheiros, nem vê que Schumacher defende o pênalti seguinte, de Six.

Os brutos também choram.

Em seguida, Littbarski marca e deixa tudo igual. Os craques Platini, de um lado, e Rummenigge, do outro, encerram a série de cobranças. 4 a 4.

Nas cobranças alternadas, Schumacher decide que ele, e mais ninguém, seria o protagonista daquele jogo. Ele defende mais um pênalti, de Bossis. Hrubesch faz o dele e bota ponto final naquele drama: 5 a 4.

A Alemanha estava na final. Os franceses, a despeito de todo o seu talento, voltavam para casa mais cedo de novo.

Logo após a partida, uma revista francesa perguntou aos leitores quem era a pessoa mais odiável de todos os tempos. Os vencedores foram dois alemães. Adolf Hitler foi o segundo. Harold “The Ripper” Schumacher foi o primeiro.

Veja outro jogaço aqui.

Postado por: Marcos Abrucio

80 pesos

Era o preço do ingresso da arquibancada na semifinal da Copa de 1970, no México (se quiser, hoje você compra o mesmo bilhete no eBay por 35 libras, ou 105 reais, ou ainda 738 pesos mexicanos. Mas corre).

Na minha mão é mais barato.

E se quando um jogo é bom dizem que ele “valeu o ingresso”, nunca um dinheiro foi tão bem gasto num campo de futebol quanto esses pesitos. Quem esteve no estádio Azteca na tarde daquele 17 de junho assistiu ao maior jogo da história das Copas:

A Itália de Albertosi, Riva e Rivera contra a Alemanha de Maier, Beckenbauer e Müller.

Não sou só eu que está falando. Em rankings de jornais, revistas e sites especializados, essa partida está sempre no topo. Livros, filmes, peças e especiais de TV já homenagearam o chamado Jogo do Século.

Jogo que começou três dias antes, quando a Alemanha fez das tripas coração para ganhar de virada da Inglaterra nas quartas de final. Os ingleses abriram 2 a 0, mas Franz Beckenbauer e Uwe Seeler empataram e levaram o jogo para a prorrogação. Aos 3 minutos da segunda etapa do tempo extra, Gerd Müller definiu: 3 a 2. Enquanto isso, a Itália passava fácil pelo México: 4 a 1.

A Itália entrou na semifinal mais descansada e abriu a contagem logo aos 8 minutos, com um tirambaço de Roberto Bonisegna. Mais uma vez, os tedescos teriam que inverter o placar. E foram para cima.

Com Müller se multiplicando em campo, os alemães espremiam sem dó os azuis. Mas a Itália tranquilamente fazia o que mais gosta: defendia e contra-atacava.

Valia tudo. Né, Gil?

Aos 22 minutos do segundo tempo, começa um drama que só poderia mesmo se passar no México. Beckenbauer invade a área e é derrubado. O juiz peruano marca a infração fora da área, para a cólera dos alemães (Já viu um alemão bravo? Pois é, coitado do peruano).

O pior de tudo é que o líbero continuava no chão. Na queda, ele teve seu ombro deslocado (ou quebrado, luxado, escangalhado, dependendo da fonte). Não dava para continuar.

Só que o técnico alemão já havia feito todas as substituições. O Kaiser continuou. E começou a escrever sua biografia de herói ao não só permanecer em campo mas como ao partir para o ataque toda vez que pegava na bola!

Substituição: sai Beckenbauer, entra o Kaiser.

Aos 44 minutos do segundo tempo, acaba o jogo. E começa o jogaço: bola cruzada na área, Karl-Heinz Schnelinger (que jogava no Milan) se estica e, a la Viola, consegue o empate. 1 a 1. Em seguida, as cortinas do tempo normal se fecham.

E reabrem para a prorrogação mais maluca das Copas, com 5 gols e nenhuma certeza de quem iria ganhar até o apito final.

Retroceder nunca, render-se jamais.

Beckenbauer volta ao jogo com uma tipóia. Já no comecinho do primeiro tempo, Müller vira o jogo: 2 a 1 numa pixotada que você não imaginaria que um zagueiro italiano seria capaz de cometer. 100 mil pessoas não acreditavam no que viam. Os 11 jogadores italianos também não. E aí, fazer o quê?, resolveram ir para a frente.

Aos 9 minutos, Gianni Rivera empata depois da defesa alemã rebater mal. E, um minuto antes do juiz mandar os times trocarem de lado, Luigi Riva domina, dá um corte seco no zagueiro e manda no cantinho. Golaço. A Itália (re)virava o jogo: 3 a 2.

Segundo tempo da prorrogação. Aos 5 minutos, Müller, de cabeça, empata de novo: 3 a 3. Todos no time de branco erguem as mãos para o céu (menos Beckenbauer, claro). A alegria dura 60 segundos. No 111o. minuto de jogo, Rivera, sozinho na área, marca o último gol do jogo: 4 a 3 Itália.

Quem riu por último.

Depois de duas horas escaldantes não só pelo sol mexicano, os 22 jogadores se arrastam até o juiz decretar o fim do espetáculo. Os 80 pesos estavam pagos.

Sete gols de placa.

A Copa de 70 foi mesmo a Copa dos superlativos. O México viu o mais brilhante dos times, os mais incríveis gols perdidos, a maior defesa já feita e até o desarme mais perfeito. E também foi o palco da mais épica das batalhas.

Uma batalha tão sobrenatural que fez até o mais descrente dos tifosi acreditar que, se foi possível derrubar aquele incansável exército alemão, então também daria para ganhar do Brasil.

Aí também não, dom.

Postado por: Marcos Abrucio.

O auge

Ronaldo tem uma carreira com tantas conquistas e voltas por cima que fica difícil saber qual foi o seu ponto mais alto.

Mas, com oito gols em sete jogos, dois deles na final, depois de duas contusões horrendas e de dois anos de quase total inatividade, não é absurdo dizer que o Fenômeno chegou ao seu ápice na Copa de 2002.

Denílson também. Na semi-final contra a Turquia. No segundo tempo. Para ser mais exato, nesse momento aqui de baixo.

O auge. Pronto, passou.

 

Por um breve instante (mas bota breve nisso), Denílson conseguiu chegar perto das cutículas dos pés de Maradona:

Mais um dia normal de trabalho de Don Diego.

 

Infelizmente, nem nos 25 anos que viveu antes disso nem nos 8 seguintes, Denílson conseguiu repetir isso (ok, uma vez só).

Aos 33 anos, ele continua recebendo propostas para mostrar seu talento por aí — as mais recentes, do Orlando Orfei e do Cirque du Soleil.

Postado por: Marcos Abrucio