A Copa que afanamos

Ana Carolina?

Hmmmm...

De fato: em 1962, não havia time melhor do que o Brasil.

A base era praticamente a mesma do campeonato da Suécia. Além disso, contava com vários atletas do Santos, então bicampeão mundial de clubes. E o dono da camisa 10 era o melhor jogador do planeta.

No segundo jogo, porém, Pelé teve uma distensão muscular que o vetou para o resto da Copa. Sorte nossa que tínhamos também o segundo melhor jogador do planeta.

Garrincha assumiu o comando do time e foi o melhor em campo em quase todos os jogos. O substituto do Rei, Amarildo, e os agora macacos velhos Nilton Santos, Didi, Zito, Vavá e Zagalo também jogaram muito.

Mas para o Brasil chegar ao bicampeonato, precisou mesmo da atuação decisiva de outro indivíduo: nosso amigo, o juízão.

(E também da Elza Soares, mas essa é outra história.)

Brasil x Espanha

Ahá, uhu, o juizão é nosso.

O homem de preto interveio pela primeira vez no último jogo da primeira fase. Depois de ganhar do México e empatar com a Tchecoslováquia, o Brasil precisava passar pela temível Espanha, que havia nacionalizado dois dos maiores craques de todos os tempos: o húngaro Ferenc Puskas e o argentino Alfredo Di Stefano (que, machucado, não jogou).

O jogo foi casca. Adelardo abriu o placar para os espanhóis, que por várias vezes quase ampliaram. No começo do segundo tempo, Nilton Santos passa o rodo num espanhol dentro da área. A cena seguinte é até hoje reprisada na TV num tom, para dizer o mínimo, bem condescendente (“é a malandragem brasileira, minha gente!”): o lateral dá dois passos sorrateiros para frente, saindo da área. O juiz marca falta.

Após a cobrança, Joaquín Peiró (e não Puskas, como é dito no vídeo abaixo) marca um golaço de bicicleta. Mas o juiz interrompe o lance, apontando uma irregularidade até hoje desconhecida. Absurdo.

Os brasileiros então acordam: Amarildo marca duas vezes, o segundo concluindo uma jogada patenteada de Garrincha. A Espanha foi eliminada, e o Brasil embala no campeonato.

Nas quartas e na semifinal, dois jogos difíceis que Garrincha tornou fáceis: 3 a 1 na Inglaterra e 4 a 2 no Chile. Em 180 minutos, foram quatro gols de Mané.

A partida contra os anfitriões foi nervosa. Depois de apanhar o jogo inteiro, Garrincha revida: sem bola, atinge o zagueiro Rojas. O bandeirinha vê e avisa o juiz, que expulsa o ponta brasileiro.

A história é conhecida: mesmo expulso, Garricha entrou em campo no jogo seguinte. Mas, ao contrário do que se repete, não era certo que ele deveria estar fora — a suspensão automática não estava prevista. Um julgamento decidiria o destino do botafoguense.

Só que o julgamento melou quando o bandeirinha uruguaio Esteban Marino, que, ora, ora, ora, era o mesmo do jogo contra a Espanha, simplesmente não apareceu. A única testemunha do tostão de Garrincha se escafedeu.

Que o sumiço dele foi esquisito e que o cara era um velho conhecido dos brasileiros (ele bandeirava no Campeonato Paulista), todo mundo sabe faz tempo. O dado novo apareceu em fevereiro deste ano, numa entrevista ao Esporte Espetacular.

O árbitro reserva do Brasil na Copa, Olten Ayres de Abreu revelou ao reporter Guilherme Roseguini que o juiz titular brasileiro João Etzel Filho procurou Marino e ofereceu US$ 15 mil (em nome da CBD? De Jango? Dos deuses do futebol?) para ele desaparecer. Anos depois, Olten reeencontraria o uruguaio, que reclamou ter recebido apenas US$ 5 mil…

Não há provas, não há outras testemunhas. Os nomes citados pelo ex-árbitro brasileiro não jogam mais no time aqui da Terra. Mas é mais uma sombra num episódio já bastante nebuloso.

Ronaldo/Garrincha e Homer/Yamasaki

"Sua anta! A final eu vou jogar de qualquer jeito, mesmo..."

Com Garrincha em campo, o Brasil repetiu as atuações dos jogos anteriores, e derrotou a Tchecoslováquia por 3 a 1, de virada. Mais uma vez, jogamos o melhor futebol e conquistamos a taça (nem sempre as duas coisas vêm ao mesmo tempo). Foi lindo.

Por outro lado, também foi feio.

O mundo inteiro pode reclamar da goleada argentina sobre o Peru em 78 e do gol de mão do Maradona em 86. Nós, não. Além do mais, somos reincidentes.

Postado por Marcos Abrucio

Anúncios

7 Respostas para “A Copa que afanamos

  1. Isso sem falar na Copa de 2002 e aquele gol da Bélgica mal anulado e explicado.

    Mas nada bate ainda “la mano de Diós cherador”… esse é escandaloso e valeu briga pelas Malvinas.

    Abrazzo,
    Henrique.

    • A Guerra da Malvinas foi antes.

      • Acho que o Henrique quis dizer que aquele lance foi quase uma desforra pela derrota na Guerra das Malvinas.

        No fim do post, tem o link para os outros erros a favor do Brasil em Copas. Historicamente, não deve haver seleção mais beneficiada que a nossa…

        Para quem gosta de futebol, a sorte é que, da porta do vestiário para fora, tivemos os melhores homens. Do vestiário para dentro, tivemos sempre os piores.

        Abs,
        Marcos

      • E antes que alguém diga qualquer coisa, esclareço: a AFA é tão ruim ou pior.

      • Alexandre Sacha

        A desforra pela guerra das Malvinas foi o outro gol no mesmo jogo.
        Ali não teve interferência de juiz, não teve cartola, não teve sorte, não teve “mano”, só teve Dios.

  2. O Brasil não tem culpa, mas a CBD e a CBF sempre foram organizações mafiosas. Sempre atuaram em favor daqueles que ocupavam os seus cargos, quando não em favor da ditadura militar ou dos privilégios de João Havelange e sua turma. É sorte, para quem torce pelo Brasil, que as tramóias dessa turma resultem em vitórias. Mas é azar para quem espera um mundo um pouco melhor.

  3. AALEX MEINHERTZ

    Não esquecendo de notar:
    – CBD – Clube Brasileiro dos Déspotas
    – CBF – Central Brasiliera dos Facínoras
    Júpter, representado mundialmente pela cor azul, tem seu símbolo num formato que alude ao número 94 (Tetra…?), cor que para os Maias representa a Morte (Eliminação ‘2010), em oposição ao Laranja (Holanda), representando a Vida.
    A partir daí, constatar que o maior produtor de Laranjas da Europa é a Espanha (nas feiras de SP, vendem-se laranjas tipo Valência), fcia um pouquinho mais descomplicado compreender os eventos de 2010. Junte-se a isso a afirmação de Blatter, de que haveria espaço na taça atual até 2018… Estaria vindo um hexa em 2014? Afinal, empataria: CBD 3 x 3 CBF = CBDF 6.
    Para as Semifinais de 2014, arrisco um palpite:
    BRASIL, ITÁLIA, ARGENTINA E ALEMANHA, dado serem estes os detentores de duas conquistas FIFA, entre 1974_2010, a exemplo de BRASIL, URUGUAY e ITÁLIA em 1970, cada qual com duas conquistas JULES RIMET, e semifinalistas compondo com Alemanha (apenas uma conquista então) aquele G4
    Finalizando com a PSICOLOGIA DAS CORES:
    1958 foi AZUL; 1962 foi VERMELHO; 1970 foi TECHNICOLOR;
    1994 foi AZUL; 2002 foi VERMELHO; 2014… ? será…? (digital já é, não vale!)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s