Arquivo da tag: Chelsea

Ronaldinho só decidiu um jogo

Mentira.

Ok, meia-verdade.

Uma lenda urbana se espalhou mais rápido que o Mário Tilico e o Euller juntos: a que diz que o Ronaldinho Gaúcho só foi decisivo em um jogo, digamos, decisivo: as quartas-de-final da Copa de 2002, contra a Inglaterra, quando ele definiu a partida com um gol de falta kardecista.

A história ganhou corpo com o endosso de Zagallo (grande coisa), em mais uma de suas iluminadas declarações.

Calma, calma. É fato que o cara sumiu em muitos jogos importantes, em especial na Copa e no Mundial de Clubes de 2006. Mas não é fato que ele tenha se ausentado em todas as grandes partidas que disputou. Essa história toda tem muito de amnésia e um tanto de maldade com o dentuço.

O mal-entendido (ou a má-fé) começa no próprio jogo contra a Inglaterra. Não foi só pelo gol Ghost que Ronaldinho foi decisivo (para o bem e para o mal) naquele jogo. Ele foi o melhor brasileiro em campo. Aos 13 minutos, já tinha dado uma caneta no Scholes. Era tanta vontade que acabou entrando forte demais num inglês e foi expulso.

Mas antes disso e do gol Sexto Sentido, ele já tinha se destacado na jogada do primeiro tento brasileiro. Acompanhe no vídeo abaixo, a partir dos 2min32s: Beckham afina numa dividida e a bola sobra para Gaúcho, que entorta a coluna dos zagueiros ingleses antes de tocar na medida para Rivaldo empatar o jogo.


O que o pessoal esquece (menos o PVC, que lembrou disso em uma de suas últimas colunas) é que Ronaldinho jogou bem em toda aquela Copa, não só contra a Inglaterra.  Esteve abaixo apenas de Ronaldo e Rivaldo. O que é normal, já que os outros Rs estavam no auge de suas esplendorosas carreiras e ele, ainda na ascendente.

Entre 2005 e 2006, foi a fez dele chegar ao auge. O cara foi protagonista de vários jogos marcantes no Campeonato Espanhol, na Liga dos Campões, nas eliminatórias e na Copa das Confederações. Claro. Ele não teria sido escolhido o melhor do mundo naquelas duas temporadas sem ter sido decisivo nesses torneios.

Na semifinal da Liga dos Campeões de 2006, em que o Barcelona foi campeão, foi dele o passe genial para o único gol da disputa contra o Milan, no estádio San Siro. Repassando: era semifinal, era Liga do Campeões, era fora de casa e era contra o Milan:

Contra o Chelsea, também pela Champions League, ele fez um dos gols mais sobrenaturais da história de Stamford Bridge. “Absolutely breathtaking”, diz o narrador. Inglês.

Vale lembrar também um dos momentos mais bonitos da sua carreira. De novo na casa do adversário, Ronaldinho liderou o Barcelona numa goleada contra o seu maior rival, o Real Madri de Zidane, Ronaldo e Roberto Carlos. Quando ele fez seu segundo golaço na vitória por 3 a 0, pela terceira vez na história o Santiago Bernabéu inteiro se levantou para aplaudir um jogador do Barça. (Os outros dois agraciados pelas palmas e lencinhos madrilenhos foram Cruyff e Maradona. Só.)

Seleção? Muita gente também não se lembra da daquela que foi uma das melhores apresentações do Brasil na década: os 4 a 1 contra a Argentina na final da Copa das Confederações de 2005. (Final! Contra a Argentina!) Ronaldinho comandou o meio-campo, deu olé e cotovelada e ainda fez um golaço de voleio.

A verdade é que Ronaldinho Gaúcho foi um dos melhores jogadores das últimas décadas, chegando a um nível de excelência frequentado por poucos na história. Pelo menos durante um período. É verdade também que ele fez uma Copa xexelenta em 2006 e decepcionou em muitos jogos importantíssimos. Mas, como vimos, não em todos. Pelo contrário.

Mas mais importante do que isso tudo (e do que gostar ou não do cara, do seu futebol, do seu pagode pré-jogo ou da sua arcada dentária) é perceber que falta, na seleção atual, um jogador com suas características para substituir o Kaká numa eventualidade.

Um jogador que descubra sulcos nas defesas adversárias, que mude o andamento do jogo, que quebre a rotina com o inesperado. Um jogador estilo Ronaldinho Gaúcho. E, atualmente, os melhores jogadores estilo Ronaldinho Gaúcho em atividade são o próprio e o Paulo Henrique Ganso, do Santos.

Já pensou se o Dunga #tiradoisvolantes e chama o RG e o PHG?

O que o Zagallo vai dizer disso?

Postado por: Marcos Abrucio

Anúncios