Copawriter na Copa: E o grande favorito ao título é…

Não houve partidas épicas nem grandes clássicos até agora na Copa. Emoção mesmo, só em Itália 2 x 3 Eslováquia. Os times ainda mostram que estão em fase de evolução, mas grande parte da imprensa e da torcida já escolheu o mais forte candidato ao título: o time da Argentina.

Favoritos em campo. Favoritos?

Os hermanos conseguiram três vitórias incontestáveis. Sofreram apenas no jogo com a Nigéria – mais pelos gols desperdiçados do que pela força do time africano. O técnico-deus deles, Maradona, levou seis atacantes para a África do Sul e o esquema é extremamente ofensivo. Além disso, o melhor jogador do mundo atualmente veste a camisa 10 portenha. Alguém consegue apostar contra? Sim.

Precisa de um alfaiate aí, Maradona?

A Argentina venceu bem, é verdade. Mas até agora não teve adversários à altura – o Brasil também não, mas essa é outra discussão. Contra a fraquíssima Coreia do Sul, no Soccer City, tomou susto antes de impor a goleada. Mais motivos para duvidar do prognóstico dos especialistas: a defesa portenha é frágil, o técnico é instável e Messi ainda não mostrou a que veio. Fora a clara preocupação deles com o Brasil, já que Verón e Maradona não param de citar, ou melhor, cutucar  os brasileiros nas entrevistas.

E não é que o Messi tava em campo?

Pode parecer que só nós, brasileiros, desdenhamos a força argentina. Mas o que realmente chama a atenção em Joanesburgo é a confiança que os sul-africanos têm de que o Brasil vai levantar a taça. Apesar de não entenderem a ausência de Ronaldinho Gaúcho, os africanos apoiam nossa seleção tanto quanto o time deles – ou até mais, já que poucos confiavam na seleção de Parreira.

Hey, brasileño, ¿qué haces acá?

Nas ruas, é fácil ouvir alguém dizendo “Brasil, nosso país torce por vocês na final!” ou “O Brasil é forte mesmo jogando mal”. Ok, também ouvi um pai dizer “Filho, torça por Brasil ou Argentina, esse times vão disputar o título!” e outro cara cantar em tom de deboche “All the single ladies” (malditos Neymar, Ganso e Robinho!). Mas até o locutor da TV sul-africana se refere à seleção canarinho como “O poderoso Brasil”. Por todo lado, há bandeiras e camisas brasileiras. A confiança está no ar.

Os bafanas realmente se sentem como brasileiros na torcida pela nossa seleção. Eles se identificam com o time que veste camisas amarelas como o time deles. No jogo contra a Coreia do Norte, até ouvi alguns sul-africanos gritando, em um mix de português-inglês, uma frase típica da torcida brasileira: “Hey, Galvón, vai tomar na c…!”.

Faixa mais educada do que os gritos que ecoavam nas arquibancadas

Postado por: Flávio Tamashiro

Anúncios

Uma resposta para “Copawriter na Copa: E o grande favorito ao título é…

  1. “Messi não mostrou a que veio.”
    Será que eu li isso mesmo? Devo estar lendo o blog da Ana Maria Braga por engano. Porque no Copawriters ninguém teria coragem de escrever isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s